MPC-SC recomenda melhorias para obras da SC-403 em Florianópolis

O Ministério Público de Contas de Santa Catarina (MPC-SC) entregou uma recomendação solicitando melhorias no projeto da obra da SC-403. Os trabalhos estão eme excução, no bairro ingleses, em Florianópolis, e apresenta pontos que preocupam os moradores da região e também levantaram questionamentos por parte da procuradoria.

A obra da SC-403 prevê cinco quilometros de duplicação do bairro Vargem Grande até a entrada do bairro Ingleses, no Norte da Ilha. Ela começou a ser executada em 2013 e teve atrasos devido a problemas com uma construtora contratada para a execução dos trabalhos.

Na última semana, o procurador do MPTC, Diogo Roberto Ringenberg, entregou ao Deinfra um documento com 16 recomendações. Segundo o presidente do órgão, Wanderley Agostini, a obra é responsabilidade da Secretaria de Estado da Infraestrutura, para quem a recomendação foi encaminhada nesta segunda-feira (15).

"Hoje conversei com o procurador sobre este assunto. O engenheiro responsável pela obra já está analisando as recomendações", informou Agostini. O G1 tentou contato com a Secretaria, mas não obteve retorno até a publicação desta reportagem.

De acordo com Ringenberg, o estado tem 15 dias para responder às 16 recomendações feitas pelo Ministério Público. As sugestões são resultado de uma vistoria feita pelo MPTC após denúncias feitas pelos moradores da região e usuários da via que está sendo duplicada. Entre os principais pontos elencados, estão medidas de segurança na rodovia, como iluminação e instalação de equipamentos de proteção, como guard-rails.

"Nesses 15 dias, ele [o órgão responsável pela obra] vai dizer o que já fez e em quanto tempo pretende fazer. Se a resposta for satisfatória, de acordo com o interesse da comunidade, ótimo. A gente acompanha o desenvolvimento dele [do projeto]. Se não for, a gente irá entrar com uma representação no Tribunal de Contas, que deve determinar se haverá realização de auditoria e verificar quais pontos devem ser fiscalizados", explica Ringenberg.

Um dos pontos que mais preocupa é o que diz respeito à passagem de pedestres. Segundo o procurador do MPTC, a SC-403 tem suas margens bastante povoadas, mas no projeto, a "rodovia foi concenida para vazios urbanos e ela não possui uma solução adequada para que as pessoas cruzem a via".

Conforme o procurador, o que inclui o projeto são 'passa faunas', uma "espécie de cano de concreto utilizada para animais atravessarem, para que eles não sejam atropelados, e colocaram isso para as pessoas cruzarem".

Ringenberg argumenta que esta é uma solução que coloca em risco os pedestres que também usam a rodovia, tanto no que diz respeito ao trânsito, quanto em relação a riscos de assaltos e higiene da área. "Já há informações de que a estrutura é usada por moradores de rua. Na prática, as pessoas não vao conseguir atender a demanda, por ser um lugar insalubre", explica o procurador.

"Uma das estruturas está instalada na frente da Escola Luiz Cândido da Luz. Cerca de 700 alunos estudam lá e, evidentemente, não comporta a demanda e não há nem indicativo de que aquele espaço vá ter condições mínimas para os usuários", complementa Ringenberg.

Para o procurador, a melhor saída seria a instalação de passarelas sobre a rodovia. "São estruturas devassadas. As pessoas nao podem dormir lá e dão mais segurança. Ou até instalação de sinaleiras e semáforos com faixas de pedestres", sugere.

Outro ponto questionado pelo MPTC, e considerado um dos pontos críticos, é com relação à rede de esgoto. Ringenberg diz que a atuação entre Casan e os órgãos executores da obra é "descompassada". Ele justifica citando a instalação da rede de esgoto na área por onde irá passar a via duplicada.

"Estamos na fase de concluão de uma obra de R$ 40 milhões e a obra [de colocação da rede de coleta de esgoto] não foi feita. Depois quando terminarem a rodovia, eles vão precisar abrir tudo de novo para fazer a tubulação", conclui o procurador.

FONTE: G1



0 visualização
AMPCON

Associação Nacional do Ministério Público de Contas

E-mail: geral@ampcon.org.br

Telefones: (61) 3533-6505   |  (61) 99533-5088

Sede: SCN, Quadra 4, Bloco B, Nº 100, Sala 1201.

Asa Norte - Brasília/DF - CEP 70.714-900
Subsede administrativa: Av. Nazaré, Nº 766.

Nazaré - Belém/PA - CEP 66.035-145

AMPCON © 2019

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram