AMPCON

Associação Nacional do Ministério Público de Contas

E-mail: geral@ampcon.org.br

Telefones: (61) 3533-6505   |  (61) 99533-5088

Sede: SCN, Quadra 4, Bloco B, Nº 100, Sala 1201.

Asa Norte - Brasília/DF - CEP 70.714-900
Subsede administrativa: Av. Nazaré, Nº 766.

Nazaré - Belém/PA - CEP 66.035-145

AMPCON © 2019

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

MPC-RS pede investigação sobre medidas do atual governador para evitar crise financeira






















Em documento encaminhado nesta quarta-feira ao Tribunal de Contas do Estado gaúcho (TCE-RS), o procurador-geral do Ministério Público de Contas do Rio Grande do Sul (MPC-RS), Geraldo da Camino, pediu uma auditoria extraordinária urgente na gestão do governo estadual. O procurador afirma estar preocupado com a "agudização da crise financeira" e seus reflexos sociais para os próximos meses e cobra detalhes de como os recursos estão sendo empregados:

– Queremos uma auditoria quanto às medidas que são tomadas ou não (para evitar o bloqueio judicial das contas), que é algo que pode se repetir ou agravar e levar o Estado à ingovernabilidade. Isso traria riscos à sociedade, com a falta de médicos, hospitais, policiais e professores – explica Da Camino.

No documento, o procurador argumenta que a otimização na gestão dos recursos públicos é fundamental e, por isso, as ações do governo Sartori devem ser examinadas imediatamente. A auditoria ocorre ao longo dos meses, e o julgamento, sempre no início de cada ano, mas, caso o TCE-RS acate o pedido, deve iniciar na próxima semana. Conforme o procurador, há três possíveis causas para a crise financeira do Rio Grande do Sul: "força maior, planejamento insuficiente ou decisão administrativa".

Ele defende que somente com auditoria nas gestões é que será possível concluir se o governo está atuando de forma correta para enfrentar a crise.

— Para fazê-lo, indispensável o uso de indicadores, a fim de que tal avaliação se dê não apenas de forma quantitativa, mas qualitativa — assinala ele no documento.

— A questão da dívida pública é o ponto a ser esclarecido: há medidas em curso ou não (para diminuí-la)? Uma delas poderia ser acionar o Supremo Tribunal Federal (STF) contra o bloqueio judicial das contas — ressalta o procurador.

Na segurança pública, ele diz que os indicadores criminais possibilitam a análise qualitativa imediata. Já com relação a saúde e educação, principalmente, será necessário criar uma metodologia para análise. Ainda não há data para apreciação do pedido. Na próxima quinta-feira, a União deve desbloquear as contas do Estado, trancadas devido ao não pagamento da dívida pública com o governo federal.

FONTE: ZERO HORA

2 visualizações