AMPCON

Associação Nacional do Ministério Público de Contas

E-mail: geral@ampcon.org.br

Telefones: (61) 3533-6505   |  (61) 99533-5088

Sede: SCN, Quadra 4, Bloco B, Nº 100, Sala 1201.

Asa Norte - Brasília/DF - CEP 70.714-900
Subsede administrativa: Av. Nazaré, Nº 766.

Nazaré - Belém/PA - CEP 66.035-145

AMPCON © 2019

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

MPC/RN abre procedimento para investigar o atraso no pagamento de servidores

O procurador-geral do Ministério Público de Contas do Rio Grande do Norte (MPC-RN), Luciano Silva Costa Ramos, instaurou procedimento preparatório de investigação, diante das notícias de atraso no pagamento da folha dos servidores estaduais no mês de dezembro de 2014. O procedimento tem como função recolher informações sobre os motivos da falta de pagamento e das medidas adotadas pelo Governo do Estado.

Foi estabelecido pelo MPC-RN um prazo de cinco dias para o encaminhamento das informações e documentos.

Segundo jornais locais, faltam 150 milhões de reais para fechar as contas do Governo do Estado, estando ameaçada até mesmo a folha de pessoal.

“A prática de atrasos nos pagamentos dos servidores vem se perpetuando ao longo dos meses, persistindo no ano de 2014, o que, caso confirmada a efetiva ofensa à Lei de Responsabilidade Fiscal, aproxima o fato da doutrina pertinente ao ‘crime continuado’, o qual no âmbito desta Corte de Contas há de ser utilizada analogicamente, de maneira de a sua apuração espraie-se pelos exercícios financeiros de 2013 e 2014, inclusive com o intuito de debelar irregularidades porventura ainda em curso”, afirmou Luciano Ramos.

Na portaria de número 78, assinada pelo procurador-geral Luciano Ramos, constam os motivos para a instauração do procedimento preparatório, indícios de ofensa à Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), que podem levar a processo contra a governadora, caso comprovados.

“Na hipótese de não ser realizado o pagamento integral dos salários dos servidores, a conduta perpetrada pelo Governo ensejará a existência de saldo remanescente a ser pago no próximo exercício, configurado, destarte, potencial violação à disciplina da Lei de Responsabilidade Fiscal”, afirmou Luciano Ramos.




1 visualização