AMPCON

Associação Nacional do Ministério Público de Contas

E-mail: geral@ampcon.org.br

Telefones: (61) 3533-6505   |  (61) 99533-5088

Sede: SCN, Quadra 4, Bloco B, Nº 100, Sala 1201.

Asa Norte - Brasília/DF - CEP 70.714-900
Subsede administrativa: Av. Nazaré, Nº 766.

Nazaré - Belém/PA - CEP 66.035-145

AMPCON © 2019

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

MPC-PR dá dez dias para Governo do Paraná dizer quanto gastou em spray de pimenta

O governo do Paraná tem dez dias para responder quanto gastou em spray de pimenta, gás lacrimogênio e balas de borracha no dia 29 de abril. A determinação consta nos ofícios 73 e 74/2015 do Ministério Público de Contas do Paraná (MPC-PR), assinados no dia seguinte ao confronto entre policiais militares e pessoas impedidas de acompanhar a votação de projetos de lei na Assembleia Legislativa do Paraná (Alep).

No documento, Michael Reiner, procurador-geral do Ministério Público de Contas do Paraná, intima o secretário estadual da Segurança Pública, Fernando Francischini, e o chefe da Casa Militar, Adilson Casitas, a fornecerem essas informações.

O documento questiona ainda quantos policiais participaram da operação do dia 29 de abril, se eram de Curitiba ou se foram deslocados do interior para cá com o intuito de participar do cerco da Alep. Nesse último caso, pergunta quantos PMs ficaram nas cidades de origem. Dos que se deslocaram, o MPC-PR quer saber o valor das diárias e onde os membros da Polícia Militar ficaram alojados.

A estimativa de quanto armamento não-letal foi gasta é um dos itens dos ofícios, que cita expressamente a necessidade do Estado informar despesas com spray de pimenta, gás lacrimogênio e balas de borracha – “indicando os totais utilizados”. Por último, pede que seja confirmada, ou desmentida, a informação sobre suposta prisão de policiais que se opuseram a participar da operação. Se confirmada, o MPC-PR solicita nome e patente dos PMs, assim como descrição das providências adotadas.

O próprio TCE divulgou, nesta terça-feira (4), que o MPC-PR passaria a investigar o ocorrido no dia 29 de abril, “sob os aspectos orçamentários e administrativos” – mais de 200 pessoa feridas, das quais cerca de 20 policiais, num confronto em praça pública que rende notícias nacionais desde a semana passada.

“Quanto à alteração na composição dos fundos do Paranaprevidência, aprovada pela Assembleia Legislativa do Estado, o MPC-PR também está tomando medidas atinentes ao exame da sua constitucionalidade e do impacto na saúde financeira do Estado (no médio e longo prazo). Outro aspecto a ser analisado são as possíveis repercussões negativas da decisão na estruturação das carreiras de Estado”, diz nota divulgada nesta segunda-feira.

FONTE: site LIVRE.JOR.BR




2 visualizações