AMPCON

Associação Nacional do Ministério Público de Contas

E-mail: geral@ampcon.org.br

Telefones: (61) 3533-6505   |  (61) 99533-5088

Sede: SCN, Quadra 4, Bloco B, Nº 100, Sala 1201.

Asa Norte - Brasília/DF - CEP 70.714-900
Subsede administrativa: Av. Nazaré, Nº 766.

Nazaré - Belém/PA - CEP 66.035-145

AMPCON © 2019

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram

MPC-ES aponta irregularidades em contrato do Detran com a Futura

O Ministério Público de Contas do Espírito Santo (MPC-ES) protocolou, na semana passada, uma representação contra o ex-diretor-geral do Departamento Estadual de Trânsito (Detran-ES), Carlos Lopes, por supostas irregularidades em contrato firmado com a empresa Futura Consultoria e Pesquisa Ltda. O órgão ministerial pediu a suspensão imediata dos pagamentos do contrato, sem licitação, para o desenvolvimento de ações para educação no trânsito. A denúncia afirma que existiu uma “inversão de papeis” no acordo, cabendo à empresa a escolha das ações realizadas.

De acordo com informações do MPC-ES, o pedido de medida cautelar será apreciado pelo relator do processo (TC 5489/2015), conselheiro Sérgio Manoel Nader Borges. A representação também cita o ex-diretor-técnico do Detran-ES, Tarcílio Deorce da Rocha, além da pessoa jurídica da Futura. Os ex-servidores podem ser condenados ao pagamento de multa, além da inabilitação para o exercício de funções públicas. Já o Futura pode ser declarado inidôneo para licitar ou contratar com o poder público estadual e municipal.

Na denúncia inicial, o MPC-ES aponta irregularidades na terceira fase do projeto “Educação para o Trânsito”, derivado do projeto coordenado pelo antropólogo Roberto DaMatta no ano de 2007. O MPC-ES questiona a contratação do Futura sem licitação, que teria apresentado uma certidão em que seria representante exclusiva do antropólogo. No entanto, o órgão ministerial afirma que o objeto do contrato era múltiplo, além de Roberto DaMatta ter uma empresa própria de consultoria e o fato do antropólogo atuar na coordenação geral do projeto.

Antes do contrato firmado em 2014 com a Futura, o projeto teve duas etapas. Na fase I, o antropólogo ministrou palestra, em 2008, e posteriormente lançou um livro relacionado ao tema de educação no trânsito. Em 2010, o Detran-ES iniciou a fase II do projeto, que consistiu na realização de pesquisas qualitativas e workshops, com a elaboração de um projeto pedagógico de execução do conteúdo do trânsito nas escolas, e a qual teve parceria da Secretaria de Estado da Educação (Sedu).

Na avaliação do MPC-ES, o Detran-ES vinculou o seu contrato à vontade da contratada, manifestada por meio da proposta apresentada (projeto “Educação no Trânsito”) pela empresa Futura, havendo inversão de papéis. Verificou-se, também, fragilidade no planejamento das ações por parte do Detran-ES, que, com base nas conclusões dos estudos desenvolvidos na fase I do projeto, teria subsídios suficientes para elaboração do plano de trabalho e do projeto básico, documentos essenciais para instrução do procedimento de contratação, inclusive de forma direta.

A fase II foi encerrada no final de 2010 e, em outubro de 2013, o Detran-ES iniciou novo procedimento, tendo em vista a apresentação de nova proposta elaborada pela empresa Futura, demonstrando interesse em executar a fase III do projeto “Educação para o Trânsito”, agora denominado “Trânsito para o Outro”. O procedimento foi concluído com a assinatura do contrato 033/2014, no valor R$ 3,25 milhões, também por dispensa de licitação. Nesta fase, a empresa produziria um kit sobre comportamento no trânsito, que acabou sendo alterada para o desenvolvimento de uma plataforma digital, sem qualquer motivação por parte do Detran-ES.

Outros indícios de irregularidades apontados foram: especificação do objeto do contrato de forma incompleta, evidenciando-se, assim, a falta de cuidado e planejamento; e atuação da empresa contratada em ramo de atividade incompatível com a totalidade do objeto do contrato. Neste ponto, o MPC destaca que 75% do valor do contrato (cerca de R$ 2 milhões) se refere a serviços na área de informática, cuja Futura não possui “expertise”. O Instituto de Tecnologia da Informação e Comunicação do Espírito Santo (Prodest) também não teria se manifestado sobre a contratação.

FONTE: jornal Século Diário




3 visualizações