MPC-AL exige criação de Controle Interno em quatro municípios

Na sessão plenária de terça-feira (12.05), o Tribunal de Contas de Alagoas, por unanimidade, admitiu mais uma Representação proposta pelo Ministério Público de Contas de Alagoas (MPC-AL) Processo TC n. 9477/2014 em face da Prefeitura e da Câmara Municipal de Porto Calvo, com o objetivo de obrigar os Poderes Executivo e Legislativo do município a criarem seu sistema Controle Interno, órgão responsável pelo acompanhamento e fiscalização da regular utilização dos recursos públicos.

Na sua representação, o MPC-AL pontuou que a Constituição Federal exige a manutenção por todos os Poderes da União, dos Estados e também dos Municípios de um sistema de Controle Interno com a finalidade de:

a) avaliar o cumprimento das metas previstas no plano plurianual, a execução dos programas de governo e dos orçamentos;

b) comprovar a legalidade e avaliar os resultados, quanto à eficácia e eficiência, da gestão orçamentária, financeira e patrimonial nos órgãos e entidades da administração pública, bem como da aplicação de recursos públicos por entidades de direito privado;

c) apoiar o controle externo no exercício de sua missão institucional.

O órgão ministerial ressaltou que o TCE-AL já editou a Instrução Normativa n. 03/2011 orientando os municípios que as atividades essenciais e exclusivas do controle interno devem ser exercidas obrigatoriamente por servidores municipais ocupantes de cargo público efetivo, vedadas a delegação e a terceirização.

Nesse mesmo sentido, em sua penúltima sessão plenária (07.05), o TCE-AL já havia admitido outra Representação do MPC-AL (Processo TC n. 9478/2014) com o mesmo objetivo, porém, em face das Prefeituras e das Câmaras Municipais de Craíbas, Dois Riachos e Girau do Ponciano.

Como consequências jurídicas, o MPC-AL ressalta que a falta ou o funcionamento irregular do sistema de Controle Interno pode ensejar a aplicação de multa pessoal, bem como a rejeição das contas anuais dos Prefeitos e dos Presidentes das Câmaras Municipais. Antes, porém, os gestores serão citados para apresentar defesa no prazo de 15 (quinze) dias.

Os Relatores dos Processos TC n. 9477 e 9478/2014 são, respectivamente, os Conselheiros Fernando Toledo e Rosa Albuquerque.

FONTE: jornal Tribuna Hoje




0 visualização
AMPCON

Associação Nacional do Ministério Público de Contas

E-mail: geral@ampcon.org.br

Telefones: (61) 3533-6505   |  (61) 99533-5088

Sede: SCN, Quadra 4, Bloco B, Nº 100, Sala 1201.

Asa Norte - Brasília/DF - CEP 70.714-900
Subsede administrativa: Av. Nazaré, Nº 766.

Nazaré - Belém/PA - CEP 66.035-145

AMPCON © 2019

  • Facebook
  • Twitter
  • Instagram